Portal do Governo | Investe SP | Cidadão SP | Internacional SP

Webmail    |    Intranet

 

Desempenho de cultivares IAC de amendoim é apresentado em Pindorama

 

 
 
8º Encontro de Produtores e Dia de Campo de Amendoim será nesta sexta, 10
 
Por Carla Gomes (MTb 28156) e Mônica Galdino – Assessoria de Imprensa – IAC
Os resultados do melhoramento genético de amendoim realizado pelo Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, serão apresentados no 8º Encontro de Produtores e Dia de Campo de Amendoim, no dia 10 de fevereiro de 2017, em Pindorama, interior paulista. O pesquisador do IAC, Ignácio José de Godoy, irá palestrar sobre as mais recentes cultivares de amendoim lançadas pelo IAC e as características desses materiais que atendem às exigências da indústria de confeitaria nacional, nos quesitos qualidade, sabor e durabilidade. O evento é organizado pela Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), por meio do Polo Regional Centro-Norte.
 
Nos últimos oito anos, o IAC desenvolveu cinco novas cultivares de amendoim que se destacam pelo alto teor de ácido oleico – a IAC OL5, IAC OL4, IAC OL3, IAC 503 e IAC 505 têm grãos que possuem de 70% a 80% de ácido oleico. Este índice é considerado alto, comparado aos amendoins tradicionais, que têm cerca de 40% a 50% desse ácido, segundo Godoy.
O ácido oleico beneficia a cadeia de produção e o consumidor final. “Esta característica é muito apreciada pela indústria, pois permite manter o produto armazenado por um período de seis a 12 meses, tempo mais longo do que o de outros amendoins, sem rancificar e perder o sabor”, explica. Para o consumidor, há ainda uma vantagem nutricional: o ácido oleico contribui para reduzir a taxa de triglicérides e aumentar o bom colesterol. Essas características têm grande relevância, sobretudo, porque 80% da produção de amendoim são destinados para a indústria de confeitaria.
Além de resistirem maior tempo na prateleira, essas cultivares têm alta produtividade, que fica acima de 6.000 quilos, por hectare, em casca. No conjunto, elas podem atender diversas regiões de cultivo, adequando-se à necessidade local — por exemplo, para renovação de canaviais ou para se adequar ao estresse hídrico.
A mais recente variedade, a IAC OL5, possui ciclo entre 125 e 130 dias e tem moderada resistência à virose, doença de ocorrência recente em São Paulo. A IAC OL3 e a IAC OL4 foram desenvolvidas para regiões onde os produtores precisam de cultivares de ciclo mais curto, como é o caso das áreas onde o amendoim é plantado nos intervalos de renovação da cana-de-açúcar. “Nesses locais, este período não deve exceder 130 dias para não atrapalhar o próximo plantio da cana. Essas cultivares IAC atingem a maturação entre 125 e 130 dias”, diz o pesquisador.
A IAC 503 e a IAC 505 possuem ampla aceitação entre os produtores porque, além de possuírem moderada resistência a doenças foliares, apresentam relativa tolerância à seca. “Ambas são de ciclo longo, superior a 130 dias, e são recomendadas para regiões em que a duração do ciclo não seja limitante para o seu cultivo, especialmente em áreas com maior propensão para estresse hídrico”, afirma Godoy.
Essas cultivares IAC representam 50% da produção paulista de amendoim. O Estado de São Paulo produz 400.000 toneladas do produto em casca, o que representa 90% do volume nacional.
            O 8º Encontro de Produtores e Dia de Campo de Amendoim é voltado para produtores, profissionais da área e iniciativa privada. No evento, o pesquisador do IAC, Hamilton Humberto Ramos, irá palestrar sobre “Tecnologia de Aplicação e Eficácia de Agrotóxicos”.
Para o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, a maciça presença das cultivares IAC neste segmento do agronegócio atesta a qualidade dos materiais e a importância da pesquisa científica. “Transferir os resultados gerados é função das instituições de pesquisa do Estado, como orienta o governador Geraldo Alckmin”, diz.
 
Serviço:
8º Encontro de Produtores e Dia de Campo de Amendoim
Data: 10/02/2017
Local: Sede do Polo Regional Centro-Norte (Fazenda Experimental)
Rod. Washington Luiz, km. 372 – Pindorama-SP
Horário: 8h às 13h
Telefone: (17) 3572-1592 / (17) 3572-2208
 
 

Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600